Mensagem das autoras

Bem vindos ao blogue.
Esperamos que encontrem por cá ajuda para os vossos problemas ou para resolver as vossas curiosidades.
Caso não encontrem respostas às vossas dúvidas, não hesitem em escrevê-la num comentário, na Cbox ou num e-mail.
Apesar de termos alguns conhecimentos de saúde, não somos veterinárias e não sabemos diagnosticar os vossos coelhos, assim como não compactuamos com negligência. Casos de doença são para os veterinários.
Não pretendemos afirmar-nos como autoridades, mas sim facultar um local onde se possa aprender um pouco mais.

quarta-feira, 30 de junho de 2010

Os primos dos coelhos, família Leporidae

Como já temos vindo a esclarecer desde o início, o coelho não se enquadra na ordem dos roedores, como muito erradamente se pensa, mas sim na ordem dos mamíferos lagomorfos, sendo um animal pertencente à família Leporidae.
Desta família fazem ainda parte outros animais, os “primos” do coelho e é sobre esses mesmos animais que este artigo trata, a fim de se aprofundar os conhecimentos gerais acerca da família dos coelhos.
Como é já sabido, o coelho caracteriza-se pela cauda curta e pelas orelhas e patas compridas. Sendo que estes animais se podem dividir em oito géneros distintos:
  1. Pentalagus;
  2. Bunolagus;
  3. Nesolagus;
  4. Romerolagus;
  5. Brachylagus;
  6. Sylvilagus;
  7. Oryctolagus;
  8. Poelagus.
Resumindo...
Coelhos
- Reino: Animalia, por ser um animal
- Filo: chordata, por possuir coluna
- Classe: mammalia, por beber leite da progenitora à nascença
- Ordem: Lagomorpha, por ter quatro dentes incisivos, por não ter osso no pénis e porque o escroto se situa em frente ao pénis)
- Família: Leporidae, dentro da qual se distinguem a Ochotonidae (pikas) e a Leporidae (coelhos e lebres)


1. Coelho europeu
De nome comum, coelho europeu, e de nome científico, Oryctolagus cuniculus, este animal é considerado o "pai" dos coelhos de estimação por ter dado origem às várias raças que hoje em dia encontramos disponíveis para ter como pet's. O seu estado de conservação na natureza é pouco preocupante.
Coelho europeu

2. Coelho do pântano

De nome científico Sylvilagus aquaticus, o coelho do pântano encontra-se principalmente no sudeste dos Estados Unidos da América (E.U.A) e o seu estado de conservação é pouco preocupante.
Coelho do pântano

3. Coelho do deserto

O coelho do deserto tem como nome científico Sylvilagus audubonii e é mais abundante na zona sudoeste dos E.U.A. O seu estado de conservação é pouco preocupante.

Coelho do deserto


4. Coelho do chaparral

Syvilagus bachmani é o nome científico do coelho do chaparral. Este coelho é mais abundante na zona oeste dos E.U.A. O seu estado de conservação é pouco preocupante.
Coelho do chaparral

5. Coelho brasileiro (Tapiti)

Syvilagus brasiliensis é o nome científico do Tapiti, também conhecido por coelho brasileiro. Este coelho é mais abundante na América do Sul e Central. O seu estado de conservação é pouco preocupante.
Coelho brasileiro (Tapiti)

6. Coelho mexicano

De nome científico Syvilagus cunicularius, o coelho mexicano é mais abundante na zona da América Central. O seu estado de conservação é crítico, sendo uma espécie quase ameaçada.
Coelho mexicano

7. Coelho de Dice

De nome científico Syvilagus dicei, o coelho de Dice é mais abundante na América Central. O seu estado de conservação é bastante crítico, sendo uma espécie considerada em perigo.
Coelho de Dice

8. Coelho da Flórida

Sylvilagus floridanus é o nome científico do coelho da Flórida. Este coelho é mais abundante no este da América. O seu estado de conservação é pouco preocupante.
Coelho da Flórida

9. Coelho das Três Marias

Sylvilagus graysoni é o nome científico do coelho das Três Marias. Este coelho é mais abundante no México e o seu estado de conservação é bastante crítico, sendo uma espécie considerada em perigo.
Coelho das Três Marias

10. Coelho de Omiltene

De nome científico Sylvilagus insonus, o coelho de Omiltene é mais abundante no México e o seu estado de conservação é muitíssimo crítico, sendo uma espécie considerada em perigo crítico.
Coelho de Omiltene

11. Coelho de São José

De nome científico Sylvilagus mansuetus, o coelho de São José é mais abundante no México e o seu estado de conservação é crítico, sendo uma espécie considerada quase ameaçada.
Coelho de São José

12. Coelho das montanhas

Também conhecido por coelho de Nuttall, o coelho das montanhas tem como nome científico Sylvilagus nuttallii. Este coelho é mais abundante na zona oeste dos E.U.A e o seu estado de conservação é pouco preocupante.
Coelho das montanhas

13. Coelho do Brejo

Este coelho tem como nome científico Sylvilagus palustris e é mais abundante na zona este dos E.U.A. O seu estado de conservação é pouco preocupante.
Coelho do Brejo

14. Coelho da Nova Inglaterra

O coelho da Nova Inglaterra tem como nome científico Sylvilagus transitionalis e é mais abundante na zona nordeste dos E.U.A. O seu estado de conservação é vulnerável.
Coelho da Nova Inglaterra

15. Coelho de Barinas

O coelho de Barinas foi recentemente descoberto, pelo que os dados relativos a esta espécie são ainda insuficientes para calcular o seu estado de conservação. Contudo, o seu nome científico é Sylvilagus varynaensis e é mais abundante na Venezuela (onde foi descoberto).
Por ser uma espécie recente,
não temos ainda nenhuma fotografia disponível

16. Coelho de Manzano

O coelho de Manzano era considerado como uma subespécie do coelho da Flórida, tendo sido recentemente desagregado dessa espécie. O seu nome científico é Sylvilagus cognatus e é mais abundante no Novo México (E.U.A). Os dados disponíveis para calcular o seu estado de conservação são ainda insuficientes.
Por ter sido recentemente desagregado de outra espécie,
não temos ainda nenhuma fotografia disponível

17. Coelho dos Apalaches

O coelho dos Apalaches é mais abundante nos E.U.A, sendo o seu estado de conservação pouco preocupante. Tem como nome científico Sylvilagus obscurus.
Coelho dos Apalaches

18. Coelho listrado de Annam

De nome científico Nesolagus timminsi, o coelho listrado de Annam é mais abundante nas montanhas de Annam, fronteira Laos e Vietname. O seu estado de conservação não é possível de definir pois não existem dados suficientes para tal.
Coelho listrado de Annam

19. Coelho de Sumatra

De nome científico Nesolagus netscheri, o coelho de Sumatra é mais abundante nas montanhas Barisan (Sumatra, na Indonésia). O seu estado de conservação é muitíssimo crítico, pelo que é considerada uma espécie em perigo crítico.
Coelho de Sumatra

20. Coelho de Amani

De nome científico Pentalagus furnessi, o coelho de Amani é originário do Japão, sendo por lá mais abundante. O seu estado de conservação é bastante crítico, pelo que é considerada uma espécie em perigo.
Coelho de Amani

21. Coelho bosquímano

O coelho bosquímano tem como nome científico Bunolagus monticularis. Este coelho é mais abundante no deserto do Karoo (Sul e Central, na África do Sul). O seu estado de conservação é muitíssimo crítico, pelo que é considerada uma espécie em perigo crítico.
Coelho bosquímano

22. Coelho Zacatuche

Também conhecido por teporingo ou por coelho-dos-vulcões, o coelho Zacatuche tem como nome científico Romerolagus diazi. Este coelho é mais abundante no México. O seu estado de conservação é crítico, pelo que é considerada uma espécie em perigo.
Coelho de Zacatuche

23. Coelho pigmeu

O coelho pigmeu é o coelho mais pequeno do mundo. Tem como nome científico Brachylagus idahoensis. Este coelho é mais abundante nos E.U.A e o seu estado de conservação é pouco preocupante.
Coelho pigmeu

24. Coelho de Bunyoro

O coelho de Bunyoro é mais abundante no continente Africano. Tem como nome científico Poelagus marjorita. Este coelho é mais abundante nos E.U.A e o seu estado de conservação é pouco preocupante.
Coelho de Bunyoro
Lebres
A lebre insere-se na mesma família que o coelho, sendo sua "prima afastada". Apesar de serem muito parecidos, a lebre e o coelho distinguem-se facilmente pelo tamanho (a lebre é maior - 50 a 70 cm; 2 a 7 kg), pela cor (a lebre apresenta uma cor amarela acastanhada, sendo a mesma mais evidente na parte superior do seu corpo) e, sobretudo, pelas orelhas (evidentemente maiores nas lebres do que nos coelhos). Outra característica notável nas lebres é o comprimento dos seus membros posteriores, membros esses que lhe permitem atingir velocidades na ordem dos 55 km/H. Além disso, a lebre é um animal que também nada e trepa sem qualquer dificuldade. As suas crias já nascem com uma pequena capacidade motora e visual, nascendo também já com pêlo. A lebre divide-se em três géneros distintos:
  1. Lepus;
  2. Caprolagus;
  3. Pronolagus.
No total, cada género contém perto de 40 subespécies.

Lebre assobiadora (Pika)
A lebre assobiadora, também conhecida por Pika, é facilmente distinguida. As suas orelhas e membros são mais curtos do que as orelhas e membros do coelho. A Pika pertence à mesma família do coelho, inserindo-se no género Ochotona, onde estão enquadradas cerca de 30 distintas subespécies.

Texto cedido por Ana Santos, o qual foi adaptado.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Escreva aqui as suas dúvidas, comentários, opiniões e temas que quer ver tratados. A sua opinião conta.

LinkWithin