Mensagem das autoras

Bem vindos ao blogue.
Esperamos que encontrem por cá ajuda para os vossos problemas ou para resolver as vossas curiosidades.
Caso não encontrem respostas às vossas dúvidas, não hesitem em escrevê-la num comentário, na Cbox ou num e-mail.
Apesar de termos alguns conhecimentos de saúde, não somos veterinárias e não sabemos diagnosticar os vossos coelhos, assim como não compactuamos com negligência. Casos de doença são para os veterinários.
Não pretendemos afirmar-nos como autoridades, mas sim facultar um local onde se possa aprender um pouco mais.

quarta-feira, 12 de agosto de 2009

Coelhos e outros animais

Muitas pessoas perguntam qual a melhor forma de fazer com que o seu coelho e o outro pet que têm em casa possam conviver, mas a resposta muitas vezes é que convém evitar o contacto entre ambos.

Lembre-se sempre que um ambiente stressante pode ter maus resultados num coelho, podendo provocar paragens cardíacas e levando à morte.

Coelhos e porquinhos da índia

Muitas pessoas pensam que comprar um PDI para fazer companhia ao seu coelho é a melhor opção: não têm de castrar, não há possibilidade de ter ninhada e até podem viver na mesma gaiola... ERRADO.

Razões pelas quais não deve juntar coelhos e PDIs:
  • Doenças: os coelhos são portadores naturais de bactérias fatais para os PDIs. Daí que se juntar coelhos com porquinhos da índia pode ser o responsável pela morte dos últimos.
  • Dieta: os PDIs têm carências de nutrientes diferentes dos coelhos (nomeadamente o exemplo da vitamina C), pelo que fornecer as duas rações quando se encontram no mesmo espaço pode não ser o suficiente para evitar problemas nutricionais em ambos.
  • Lutas: os coelhos são animais muito territoriais e quando lutam são bastante agressivos. Expor um PDI a este risco pode ser fatal (e nem é necessário muito tempo).
  • Linguagem: apesar de algumas semelhanças, os coelhos e PDIs têm linguagens diferentes, pelo que não comunicam da mesma forma. E desentendimentos entre bichos resulta no tópico mencionado acima.
  • Frustração sexual: os coelhos "inteiros" acasalam com tudo o que lhes aparece à frente. Incluindo PDIs. E embora não resulte em ninhadas, pode provocar muitos danos.


Coelhos e gatos

Coelhos e gatos podem dar-se bem ou, pelo menos, tolerar-se. Agora, não podemos fazer disto regra sem ressalvar que existem excepções (e com consequências gravíssimas) que levam a que a habituação tenha de ser feita com vigilância e o máximo de cuidados.

Duas questões devem ser tidas em conta à partida:
  1. os gatos não devem estar num local que lhes desperte os instintos predatórios
  2. assumir que, mesmo que um coelho ou um gato estejam habituados a outros indivíduos da raça oposta, não quer dizer que não se sintam ameaçados ou que não sejam agressivos
Deve-se ter em conta que as unhas do gato devem estar cortadas e que o primeiro contacto deverá ser feito com o coelho dentro da gaiola (um coelho que fuja vai despoletar os instintos de caça dos gatos) tendo em atenção que o coelho deve ter um sítio dentro da gaiola onde se possa refugiar. Esta habituação pode demorar dias ou meses e não deve ser apressada, tendo em conta que o gato não deve ser repreendido quando está perto do coelho ou irá associar esse tratamento ao animal.


Coelhos e cães

Esta é mais uma união possível, mas que deverá ser feita com muita cautela. Se o cão for indisciplinado e/ou se o colho for muito assustadiço, as apresentações devem ser feitas com o coelho na gaiola e o cão à trela.

O cão deve ser acalmado, evitando os movimentos bruscos deste e os latidos, permitindo ao coelho e ao cão cheirarem-se através das grades. Se tiver de repreender muitas vezes o seu cão, então continue noutro dia.

As apresentações sem grades poderão ser feitas se o cão for obediente e respeitar comandos como de deitar, sentar ou ficar. Noutro caso corre o risco de ter um cão com um coelho na boca em três tempos e/ou um coelho a sofrer de ataque cardíaco devido ao susto.

As apresentações devem ser continuadas ao longo do tempo, aumentando a liberdade de cada um gradualmente quando se obtêm sucesso pleno no grau anterior.

Terá de ter em conta que cães de raças que são usados tipicamente para caçar (terriers, perdigueiros, etc.) ou cães de raças muito irrequietas (caniches, pinschers, etc.) poderão ser um problema maior do que cães tipicamente calmos.

5 comentários:

  1. Parabéns pelo artigo Ana, era uma dúvida que eu sempre tive: que outros animais poderia ter, mas a prioridade sempre será a minha coelha e a sua segurança.

    ResponderExcluir
  2. Obrigada, Fer.

    Ainda bem que esclareci uma dúvida pendente, se tiver mas sugestões, por favor escreva-as (muitas vezes não escrevo mais porque estou sem ideias para posts úteis e interessantes).

    ResponderExcluir
  3. Ah sim, mas acho que porque o blog está praticamente completo! Eu aprendi TUDO aqui, ates não sabia nada de coelhos, por isso pesquisei aqui antes de ter a minha. Uma unica sujestão seria coelhos e o frio, apesar que eu acho que dei conta desta fase aqui, colocando um pouco ar quente ou cobertores que ela adorava! No mas, volto a afirmar: seu blog é de excelente ajuda! Abraços! :)

    ResponderExcluir
  4. Olá Fer,

    Obrigado pelos seus elogios e sugestões :)

    Mar.

    ResponderExcluir
  5. ola...esta interesante e achei piada o vosso blog...porque eu th um labrador de um ano e 4 mes,ha dois meses para ca deram me um coelhito,no entao fiz a experiencia de juntar os dois...de rir...o meu cao é um animal tao meiguinho que nem ao coelho nada lhe fez..dando se assim amigos,é normal.. tem aquelas coisas de o babar todo e quando pode manda o para a lareira do qual o coelho é branco e sai de la cinzento...animais tao diferentes e ao msm tempo sao bichos e dao se bem..so rir..parabens para voces!!!

    ResponderExcluir

Escreva aqui as suas dúvidas, comentários, opiniões e temas que quer ver tratados. A sua opinião conta.

LinkWithin