Mensagem das autoras

Bem vindos ao blogue.
Esperamos que encontrem por cá ajuda para os vossos problemas ou para resolver as vossas curiosidades.
Caso não encontrem respostas às vossas dúvidas, não hesitem em escrevê-la num comentário, na Cbox ou num e-mail.
Apesar de termos alguns conhecimentos de saúde, não somos veterinárias e não sabemos diagnosticar os vossos coelhos, assim como não compactuamos com negligência. Casos de doença são para os veterinários.
Não pretendemos afirmar-nos como autoridades, mas sim facultar um local onde se possa aprender um pouco mais.

quinta-feira, 23 de abril de 2009

Antibióticos: o que deve saber

Os antibióticos são medicamentos usados para combater infecções bacterianas. Muitas vezes vemos os donos dos coelhos pedir conselhos sobre o antibiótico utilizado em situações similares àquela em que o seu coelho se encontra para eles próprios fazerem a administração.

O problema é que não podia haver nada mais errado do que administrar medicamentos sem supervisão médica. Apenas alguns exemplos do que pode correr mal:
  • a doença do coelho não ser a que se pensava e atrasar-se a cura (e possivelmente provocar a morte)
  • o medicamento ser tóxico para o coelho ou provocar outras patologias que levem à morte
  • dar a dose errada, permitindo que as bactérias se tornem resistentes, além de que uma dose demasiado baixa pode não curar e uma demasiado alta pode matar
  • administrar mal o medicamento
  • usar mal uma forma farmacêutica (por exemplo, partir comprimidos gastro-resistentes, que perdem assim a sua eficácia)

O meu coelho está doente e acho que precisa de antibióticos

Se acha que o seu coelho pode estar doente, então leve-o a um veterinário com experiência em exóticos. Se ele decidir que o coelho necessita de tomar antibióticos, então poderá fazer duas coisas diferentes (ou as duas na mesma consulta):
  1. Administrar um antibiótico de largo espectro (que destrói várias espécies diferentes de bactérias) para tentar solucionar o caso e poder iniciar o tratamento de imediato.
  2. Fazer uma colheita das bactérias (através de expectoração, muco ou outro), procedendo seguidamente à identificação da bactéria e antibiograma (ver explicação abaixo).
Por norma, quando a primeira opção não resulta em melhorias num prazo definido pelo veterinário, é necessário mudar o antibiótico pois pode não estar a fazer efeito. Se assim for, não deixe que essa mudança seja feita aleatoriamente e exija que façam a colheita e análise.

Qual a importância de saber qual a bactéria e do antibiograma?

Nem todos os antibióticos funcionam da mesma maneira nem destroem as mesmas bactérias. O que os veterinários normalmente fazem para poderem começar logo o tratamento sem mais demoras é dar um antibiótico que actua sobre muitas bactérias (antibióticos de largo espectro), só que por serem tão usados, muitas bactérias em que normalmente eram eficazes desenvolveram resistências a esses (e outros) antibióticos.
Então o que se faz na análise? Primeiro a bactéria é recolhida, e fazem-se vários testes para determinar qual a espécie ou espécies presentes.
Seguidamente realiza-se o antibiograma. Coloca-se a bactéria numa placa que tem o meio ideal para o crescimento dessa bactéria, e colocam-se também pequenos discos com os antibióticos que mais provavelmente serão eficazes na destruição dessa bactéria. Depois de incubar à temperatura ideal, verifica-se ao pé de que discos de antibiótico não houve crescimento, o que significa que será eficaz.


Lembre-se de perguntar

Qual a duração do tratamento
Caso o tratamento seja injectável, pergunte se tem reacções adversas, nomeadamente dermatológicas (por exemplo queda de pêlo)
Se o tratamento for por comprimido e o médico aconselhar a parti-lo, pergunte se o comprimido é gastro-resistente. Se for não o parta (o comprimido perde o efeito) nem dê inteiro (dose demasiado elevada). Peça um tratamento alternativo.

Antibióticos de risco para coelhos

Ampicilina - enterite fatal em 40-100% dos casos, dependendo da dosagem
Amoxicilina - diarreia após administração oral
Cefalexina - diarreia após administração oral
Clindamicina - enterite fatal em 50-100% dos casos, dependendo da dosagem
Eritromicina - diarreia após administração
Espectinomicina - diarreia após administração
Espiramicina - nervosismo
Lincomicina - enterite fatal em 33-100% dos casos, dependendo da dosagem
Minociclina - redução da taxa de crescimento
Penicilina - enterite aguda/crónica após administração oral
Tilmicosina - reacção fatal não identificada
Tilosina - diarreia após administração
Vancomicina - toxicidade fatal em 100% dos casos

Se está tudo bem com a prescrição

Dê sempre a dose que o veterinário indicou.
Faça o tratamento durante todo o tempo indicado pelo veterinário, mesmo que o coelho aparente estar curado.
Não salte doses.
Se tiver dúvidas, contacte o veterinário.

Um comentário:

  1. meu coelho machucou o olho e esta com dificuldades para comer e andar devido a este problema o que posso fazer ?

    ResponderExcluir

Escreva aqui as suas dúvidas, comentários, opiniões e temas que quer ver tratados. A sua opinião conta.

LinkWithin